Os operadores económicos do Cuando Cubango absorveram, desde 2020, financiamentos globais cifrados em 5.436,9 milhões de kwanzas, que beneficiaram 264 projectos dos sectores da Agricultura, Comércio e Turismo, bem como o escoamento de produtos do campo para as áreas de produção.

30/12/2022   08H23

Crédito abarcou mais para escoamento da produção agrícola

Em declarações ao Jornal de Angola, o director do Gabinete Provincial de Desenvolvimento Económico Integrado, Afonso Ndala, precisou que os empréstimos  foram desembolsados ao abrigo de iniciativas institucionais de financiamento como o Aviso 10/20 e sucessivos do Banco Nacional de Angola (BNA), das Medidas de Alívio Económico, bem como dos programas Integrado de Desenvolvimento do Comércio Rural (PIDCR), de Apoio ao Crédito (PAC) e de Reconversão da Economia Informal (PREI).

Sem avançar o número de beneficiários e empregos criados, Afonso Ndala disse que a maior fatia dos desembolsos ocorreu no quadro das Medidas de Alívio Económico, ao abrigo das quais foram financiados 49 projectos, e o Aviso 10, com pouco mais de 3.539 milhões de kwanzas concedidos para o fomento dos sectores da Agricultura e Comércio.

Com o Programa de Apoio ao Crédito (PAC), o braço financeiro do PRODESI que, nesse período, foi reestruturado e melhorado, foram financiados 50 projectos do comércio, turismo, agricultura e escoamento da produção, em 983,11 milhões de kwanzas.

No âmbito do PREI, os financiamentos foram concedidos a favor de 72 projectos e ascenderam a 60,57 milhões de kwanzas, constituindo-se em microcrédito à actividade de comércio e escoamento de produtos.

Afonso Dala realçou o facto de o ano de 2022 ter sido marcado, também, pela entrega de 20 carrinhas e 60 motorizadas de três rodas, no quadro do PIDCR, com o objectivo de se garantir o escoamento dos produtos agrícolas para os grandes centros de consumo.

“Em articulação com o Instituto de Reintegração Social dos Ex-Militares (IRSEM), entregámos 13 tractores com as respectivas alfaias agrícolas a igual número de cooperativas em todos os municípios da província, para o fomento da agricultura”, acrescentou.

Desempenho positivo

Afonso Ndala destacou que todos os valores desembolsados e os meios entregues visam impulsionar o sector económico, para viabilizar os objectos do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI).

O director de Gabinete considerou que, para que o país atinja as ambições de desenvolvimento socioeconómico adoptadas pelo Governo, urge uma aposta contínua no sector económico e produtivo, para elevar as escalas de produção e o aumento das exportações.

Com base nesta perspectiva, lembrou, o Executivo tem traçado políticas para o sector económico e produtivo, do que constitui prova a massiva produção de milho, feijão-frade, massambala, massango, mandioca e tomate que se regista na província, a qual, de tão elevada, só encontra mercado noutras regiões do país.

“Este é um bom sinal que estamos a registar, graças ao grande apoio do Executivo angolano aos operadores económicos e produtores para que possam desenvolver melhor as suas actividades e, também, contribuir para o aumento da produção nacional e a criação de postos de trabalho, principalmente, para os jovens”, disse.

Afonso Ndala considerou, por este facto, que o balanço das actividades realizadas pela instituição que dirige, sobretudo em 2022, “é bastante positivo”, uma vez que muitos operadores económicos e produtores no Cuando Cubango beneficiaram de apoio.

Recordou que 2022 foi marcado, também, pela institucionalização da Autoridade Nacional de Inspecção Económica e Segurança Alimentar (ANIESA) na província, no mês de Junho, com o serviço a funcionar nos municípios de Menongue, Cuchi e Cuito Cuanavale.

Afonso Ndala anunciou que, para o próximo ano, está prevista a expansão da segunda fase dos serviços da ANIESA nos municípios do Calai, Cuangar e Dirico, localidades limítrofes com a Namíbia, tendo em vista o aumento da actividade comercial.

REVISTA DESTEMIDOS.