A cerimónia de tomada de posse do Presidente eleito do Brasil, Luíz Inácio Lula da Silva, marcada para o próximo domingo, 1 de Janeiro de 2023, alterou a dinâmica em Brasília, capital política do país, com efeitos imediatos no preço de hotéis, numa altura em que a diária regista uma subida de 100 por cento, constatou a equipa de reportagem deste diário que acompanha os últimos dias que antecedem a investidura. 

30/12/2022   08H27

Investidura do presidente eleito do Brasil

As movimentações de pessoas, que iniciam no aeroporto, fazem sentir-se em várias artérias da cidade. Diariamente chegam ao país, especialmente a Brasília, diplomatas e turistas, em número muito maior a comparar com os dias normais da vida no Brasil.

Segundo relatos divulgados pela imprensa local, estima-se que a capital deve receber cerca de 300 mil pessoas durante a tomada de posse de Lula da Silva, e, só no Aeroporto de Brasília, a expectativa é que cerca de 150 mil passageiros transitem pelo local, de hoje a dois de Janeiro.

 Ainda sobre as diárias, taxadas acima dos 800 reais (cerca de 76.4 mil kwanzas), a julgar pelo andar das coisas, estima-se que, a partir de hoje, na zona sul de Brasília, os preços de um quarto de casal atinjam o dobro, em relação ao período homólogo.

O San Marcos Hotel, localizado na zona sul, por exemplo, é dos mais económicos, num universo de mais de cem. Para quartos de casal, luxuosos, o San Marcos pratica, actualmente, preços que variam de 816 a 1000 reais, quando até ao dia 27 deste mês cobrava 499 euros pela diária (cerca de 47.6 mil kwanzas).

“As buscas por quartos em Brasília aumentaram e os hotéis estão praticamente lotados”, disse o recepcionista do hotel de cinco estrelas windsor Plaza, quando comentava a situação.

“Nessa altura, os preços variam em função da procura. Até ao dia 27 deste mês, ainda era possível encontrar quartos no valor de 677 reais”, refere, tendo feito saber que os preços variam de 850 reais a 4.123 mil reais, com a possibilidade de custarem o equivalente a 398 mil e 800 mil kwanzas.

Uma opção para conseguir quartos a preços mais económicos é fazer reserva através de sites, aconselhou outro recepcionista do hotel Meliã.

Alimentação

Alimentação em Brasília também não é das mais baratas. Aliás, a cidade é considerada das mais cara do Brasil, onde os preços de um almoço podem variar de 28 a 44 reais, incluindo pratos típicos como “risoto” e “arroz, feijão preto farofa, churrasco”, entre outros.

Diferente de outros pontos, a capital do país, que nasceu de um projeto do arquitecto Lúcio Costa, é uma das cidades planeadas mais conhecidas do Brasil. Brasília tem a fama de ser dos países mais tumultuosos, mas a organização da cidade facilita a vida dos seus moradores e torna a cidade uma das mais calmas do país.

Numa ronda por Brasília, a equipa de reportagem deste diário deparou-se com a repórter da TV Record, Hariane Bittencourt, que afirmou que se pode passear pela cidade, inclusive à noite, com toda tranquilidade.

 Mulheres destacadas  no próximo Governo

O Presidente eleito do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, destacou, ontem, a participação de 11 mulheres no comando de pastas do próximo Executivo do país, ao anunciar 16 ministros que faltavam para compor o seu Governo.

“Acho que com o ‘desgoverno’ que o Brasil foi submetido durante todos estes anos, nós teremos que trabalhar o dobro para recuperar. Eu estou feliz porque em todos os governos do Brasil nunca teve tantas mulheres ministras”, afirmou Lula da Silva, ao lado de duas das mulheres indicadas, Marina Silva e Sónia Guajajara, que vão tomar posse como ministras do Meio Ambiente e dos Povos Indígenas, respectivamente, em 01 de Janeiro de 2023, juntamente com o futuro Chefe de Estado e demais ministros.

“Nós vamos ter uma mulher presidente da Caixa Económica Federal e uma mulher presidente do Banco do Brasil”, acrescentou, numa cerimónia na capital brasileira para anunciar a composição da sua equipa ministerial.

 Ao todo, o futuro Presidente brasileiro escolheu 11 mulheres para o seu executivo, composto por 37 pastas. A antiga candidata presidencial Marina Silva regressa ao Ministério do Meio Ambiente, que já ocupou entre 2003 e 2008, sob a Presidência de Lula da Silva, enquanto Simone Tebet, terceira classificada na primeira volta das presidenciais e apoiante de Lula da Silva na segunda volta, vai chefiar o Ministério do Planeamento e Orçamento. A líder indígena Sónia Guajajara, que surgiu de cocar, adorno típico, vai liderar o Ministério dos Povos Indígenas.

No anúncio realizado hoje, Lula da Silva indicou o general Gonçalves Dias para o gabinete de Segurança Institucional; Paulo Pimenta para a Secretaria de Comunicação; Carlos Favaro para o Ministério da Agricultura e Pecuária; Waldez Góes para o Ministério da Integração de Desenvolvimento Regional; André de Paula para o Ministério da Pesca; Carlos Lupi para o Ministério da Previdência, Jader Filho para o Ministério das Cidades e Juscelino Filho para o Ministério das Comunicações.

Também foram nomeados Alexandre Silveira para o Ministério das Minas e Energia; Paulo Teixeira para o Ministério do Desenvolvimento Agrário; Ana Moser para o Ministério do Desporto; Daniela Sousa Carneiro para o Ministério do Turismo e Renan Filho para o Ministério dos Transportes.

REVISTA DESTEMIDOS.