28/11/2022  06H43

340 mil pessoas vivem com o VIH-Sida e destes 45 por cento já conhecem o estado serológico, disse, este sábado, em Luanda, o presidente da Rede Angolana de Organizações de Serviços de Sida (ANASO).

António Coelho explicou, durante uma marcha de solidariedade  realizada na Cidadela Desportiva até à Praça da Família, no Largo da Independência, por ocasião do Dia Mundial do Sida, a assinalar-se a 1 de Dezembro, que, com base nos dados da ANASO, o país tem uma taxa de prevalência do HIV de dois por cento.

Para o presidente da associação, é altura de declarar uma “guerra aberta” contra a epidemia, destacando para tal a importância da realização regular de jornadas a fim de falar sobre o tema. Quanto a distribuição de medicamentos e preservativos, a situação tem estado difícil nos últimos meses, devido à escassez de verbas. “Há limitações na aquisição dos anti-retrovirais” referiu.

Os infectados por VIH, adiantou, são os que mais sofrem com estas dificuldades. “É preciso que as pessoas comecem a ver a doença como um custo no homem e não um investimento ”.

Todos os dias, avançou, 30 jovens e adolescentes são infectados por VIH em Angola, o que o leva a lamentar a diminuição das acções de sensibilização contra a SIDA. “O executivo deve melhorar a organização e disponibilizar cada vez mais fundos”, disse.

O secretário de Estado da Saúde Pública, que participou na marcha, realizada sob o lema “Acabar com a Desigualdade”, pediu mais engajamento e envolvimento, em particular nos trabalhos comunitários de sensibilização. Carlos Pinto de Sousa adiantou que o país recebeu dez milhões de preservativos, fruto de uma doação.

A representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Angola, Mamisoa Rangers, garantiu o apoio contínuo da organização ao sistema de saúde nacional. “A estratégia do PNUD na área da saúde está focada na identificação dos determinantes socioeconómicos e nas vulnerabilidades associados aos problemas de saúde, como o VIH/SIDA”, lembrou.

A marcha, que contou com a participação de três mil pessoas, é das actividades de uma jornada de sensibilização para resgatar o compromisso de lutar contra o Sida no país que decorre desde 15 deste mês e termina a 15 de Dezembro

Por : Alberto Quiluta

Revista Destemidos.