12/11/2022 13H08

A governadora do Cunene, Gerdina Didalelwa, está preocupada com a ausência de chuvas regulares

Mais de 580 mil hectares de terra estão a ser preparados para a presente campanha agrícola, na província do Cunene, no quadro da estratégia de aumento da produção e combate à fome e à pobreza no seio das comunidades.

A governadora do Cunene, Gerdina Didalelwa, disse, no início desta semana, na comuna de Mucope, município de Ombadja, que a ausência de chuvas regulares está a aumentar a  fome, deslocações de pessoas para outros pontos da província e para a República da Namíbia, com  enormes prejuízos visíveis, entre os quais o abandono escolar e a desestruturação de famílias.

Gerdina Didalelwa fez saber que para contrapor a situação, o Executivo materializou o projecto estruturante de combate à seca, na região Sul, com realce para o Cunene. Este programa constitui-se na Cafú, com  uma extensão de 160  quilómetros,    que actuamente conta  com  a preparação de  15 mil hectares  irrigados do sistema  gota-a-gota.

Defendeu  a agricultura familiar, para aumentar  a produção e passar-se da prática de subsistência à actividade rentável, além da promoção de uma rede de distribuição de insumos, no quadro de parcerias público-privadas.

A governadora do Cunene apelou, igualmente, aos camponeses a empenharem-se em todas as fases do ano agrícola, isto é,  desde a preparação dos campos até a colheita.

Às autoridades locais, Gerdina Didalelwa pediu maior fiscalização dos meios atribuídos, no sentido de se desenvolverem mecanismos de resiliência, que garantam a segurança alimentar e nutricional com destaque para as crianças e idosos, com vista à prevenção de doenças e baixa taxa de mortalidade.

Agricultura local

O director do Gabinete Provincial da Agricultura, Pecuária e Pescas, Carlos Ndanyekwaondunge, disse que os principais desafios da presente campanha agrícola passam pela melhoria da assistência técnica, extensão agrária e rural, fortalecimento da capacidade técnica e produtiva das cooperativas, associações, de grupos solidários e produtores individuais.  Também adequar a metodologia de intervenção no processo de desenvolvimento, com apoio de escolas de campos, caixas comunitárias, campos de demonstração e de experimentação.

Carlos Ndanyekwaondunge fez estas declarações no acto de abertura da campanha agrícola 2022/2023, na comuna do Mucope, município de Ombadja.

Na ocasião, afirmou que  a meta  é enquadrar 147.021 familiares no processo produtivo com apoio de diversos parceiros, casos do FRESAN, FAO e CODESPA. Está ainda prevista uma produção de cerca de 500 mil toneladas de produtos diversos, e assistir-se de forma  directa  cerca de 71 mil produtores familiares.

Sob o lema “Por uma agricultura sustentável e resiliente, rumo à melhoria da segurança alimentar e nutricional em Angola”, a ocasião serviu, de igual modo, para a distribuição de sementes melhoradas de produtos diversos, fundamentalmente aqueles de curta duração(ciclo curto de plantio, casos do tomate, repolho, couve, cebola etc).

Quinito Kanhameni / Mucope / Ondjiva

Revista Detsemidos.