09/11/2022 07H29

BNA na Huíla

A direcção regional do Banco Nacional de Angola na Huíla informou, recentemente, que 50 por cento dos adultos guardam a poupança em casa e só 30 por cento da população usa produtos de poupança formal, de acordo a um inquérito sobre o Fortalecimento da Capacidade e Inclusão Financeira em Angola, publicado em 2020, em parceria com o Banco Mundial e o Instituto Nacional de Estatísticas.

Sandro dos Santos revelou que 62 por cento dos adultos em Angola têm uma forma de Poupança, destes universos, as mulheres economizam menos quatro por centos do que os homens.

“O quadro do estado da poupança em Angola sinaliza os desafios a enfrentar no domínio da Educação Financeira”, afirmou, sublinhando o empenho do BNA na sensibilização sobre poupança e bancarização promovida anualmente através da “Oficina de Educação Financeira.

Este ano a oficina, que visou cultivar o hábito de poupar uma parte do rendimento (10 a 30 %) antes de quaisquer gastos, de modo a evitar outros com imprevistos, encerra terça-feira no mercado do Mutundo, sob lema “Construir Independência e Resiliência Financeira”.

O Dia Mundial da Poupança é celebrado desde 31 de Outubro de 1924, durante o primeiro Congresso Internacional de Economia em Milão, Itália. A instutcionalização da data tem como objectivo alertar a sociedade sobre a importância da poupança para o bem-estar financeiro das famílias e o fortalecimento do sistema financeiro.

A efeméride serve também para encorajar as pessoas a economizar dinheiro no banco em vez de mantê-lo debaixo de seus colchões, com o objectivo de restaurar a confiança do público nos bancos, perdida após a I Guerra Mundial.

Educação financeira

O volume de poupança no mercado formal pode afectar, positiva ou negativamente, a solidez e a eficiência do sistema financeiro pelos efeitos sistémicos de natureza económica inerentes, alertou o director regional Sul do BNA.

Sandro dos Santos que dissertava sobre “Relevância socioeconómica da poupança” no âmbito Oficina de Educação Financeira, alertou que as dificuldades financeiras dos indivíduos “não afectam apenas as suas famílias e as empresas, mas a sociedade em geral”.

Por esta razão, o director regional sul do Banco Nacional de Angola defendeu a consciencialização dos cidadãos sobre a importância da poupança, desde a mais tenra idade para que a abordagem seja considerada como questão de interesse nacional em Angola assim como na região da África Subsaariana

Por: Domingos Mucuta / Lubango

Revista Destemidos.