O reforço dos projectos de aproximação dos serviços sociais básicos às comunidades, visando o fortalecimento da capacidade e eficácia da expansão da municipalização da acção social nas zonas rurais de Malanje e Cuanza-Norte constam entre os objectivos da formação de Agentes de Desenvolvimento Local e Sanitário (ADECOS), ministrada pelo Fundo de Apoio Social (FAS).

09/11/2022 .  09H19

Director provincial do FAS Lourenço Matias afirma que os técnicos estão mais capacitados.

A acção formativa, realizada em Ndalatando, província do Cuanza-Norte, durou 24 dias e permitiu a capacitação de 26 supervisores de Agentes de Desenvolvimento Comunitário e Sanitário (ADECOS), dos quais 12 pertencentes ao Cuanza-Norte e 18 oriundos de Malanje, que, doravante, vão formar, em todo o país, 238 técnicos, que terão a missão de capacitar 1.500 profissionais ligados à operacionalização do programa Kwenda.

Segundo o director provincial do Fundo de Apoio Social (FAS), Lourenço Matias, a formação teve como enfoque a intervenção comunitária, através da acção laboral dos ADECOS, com o propósito de estimular o desenvolvimento local, principalmente a nível das comunidades mais vulneráveis.

Em sua opinião, com os conhecimentos adquiridos, os técnicos possuem maior traquejo no domínio da transmissão de conhecimentos para a formação de novos formadores e supervisores municipais e expandir a política nacional dos ADECOS, para novos municípios de Angola.

Deu a conhecer que os debates e discussões à volta da formação estiveram ligados aos principais problemas de cada comunidade.

Acrescentou que o Kwenda é um dos maiores programas de combate à pobreza e protecção social. Exortou os recém-formados no sentido de aplicarem os conhecimentos adquiridos em prol das comunidades em que estão inseridos.  Durante a formação, foram aprimorados conhecimentos ligados às áreas de atribuições e responsabilidades para os ADECOS, ficha de pré-cadastramento dos serviços e projectos de protecção social e municipalização da acção social.

 Foram, também, discutidas ideias sobre a dimensão da vulnerabilidade das comunidades, serviços e projectos de protecção social,  cuidado com a gravidez, parto e pós-parto, registo civil, além da comunicação para a mudança de comportamento, visitas domiciliares e processos de aconselhamento.

  A nível das províncias do Cuanza-Norte e Malanje o Kwenda, desde 2020, já beneficiou mais de 62.360 mil famílias, com um montante avaliado em mais de três mil milhões de kwanzas, no âmbito do Programa de Transferências Sociais Monetárias.

No Cuanza-Norte já foram gastos mais de mil milhões de kwanzas, em benefício de 19.560 famílias, nos municípios de  Quiculungo, Ambaca e Golungo Alto.

Na terra da “Palanca Negra”, o Executivo gastou acima de dois mil milhões em benefício de 42.800 agregados familiares, das regiões de Quirima, Calandula, Luquembo e Cambundi Catembo.

Revista Destemidos