09/11/2022 09H36

Governo Províncial do Huambo

Sob o lema angolanos com mãos dadas no futuro, celebremos o 11 de Novembro, foram abertas as jornadas alusivas ao 47º aniversário da proclamação da Independência do país, num acto marcado com uma palestra sobre as principais conquistas de Angola.

O auditório do Governo da Província do Huambo, palco da palestra, contou com a participação de representantes de partidos políticos com assento parlamentar, entidades religiosas, economistas, músicos, investigadores, artistas e compositores, poetas, estudantes universitários, efectivos das Forças Armadas Angolanas (FAA),  Polícia Nacional, membros da sociedade civil e população, em geral.

Na cerimónia de abertura, o vice-governador do Huambo para o Sector Técnico e Infra-Estrutura, Francisco Inácio, em representação da governadora Lotti  Nolika, destacou como maior benefício para os angolanos a conquista da Independência Nacional a 11 de Novembro de 1975.

Lembrou que a conquista da paz permitiu a aceleração dos níveis de crescimento e desenvolvimento do país, tendo apontado, também, como benefícios a livre circulação de pessoas e mercadorias, a construção e reabilitação de escolas, hospitais, caminhos-de- ferro, distribuição de água, entre outros, que contribuiram para a melhoria das condições de vida dos angolanos, em particular, da província do Huambo.

O político e  representante da UNITA no Huambo, Delfim Dumba, em entrevista ao Jornal de Angola, disse que os angolanos têm de continuar a preservar a Independência Nacional, com base na unidade, solidariedade, patriotismo, irmandade e reconciliação.

O chefe de departamento para os Assuntos Políticos, Económicos, Eleitorais e Sociais do Comité Provincial do MPLA, Daniel Mauricio Soy, frisou que os benefícios são  muitos e visíveis em todas as esferas da sociedade, destacando a edificação de mais infra- estruturas da Saúde, Educação e Estradas.

No leque dos ganhos alcançados, o preletor e professor de História de África, João Sicato Canjo, realçou a paz efectiva que resultou no engajamento de todos os angolanos, através das igrejas, associações, partidos políticos, organizações da sociedade civil, assim como os parceiros da comunidade internacional.

O orador durante a intervenção referiu que a Independência de Angola custou o sangue de muitos e melhores filhos da pátria. E a sua história, realçou, deve ser bem conservada e contada às gerações vindouras.   

O secretário do Conselho Provincial da Juventude (CPJ) no Huambo, João Lara Hotalala, afirmou que o 11 de Novembro de 1975 foi a maior conquista dos angolanos, tendo acrescentado que é difícil enumerar os ganhos alcançados, com a conquista da Independência: “Angola é um país que está a crescer todos os anos, em todos os domínios”.

Por: Justino Victorino / Huambo

Revista Destemidos.