08/11/2022 08H34

Elevado fluxo de refugiados da RDC

O Malawi está a enfrentar um elevado fluxo de refugiados que fogem da violência que se intensificou recentemente no Leste da República Democrática do Congo (RDC), alertou, ontem, o Programa Alimentar Mundial (PAM).

“A situação é alarmante”, disse à France-Press (AFP) Paul Turnbull, representante no Malawi da agência de ajuda alimentar da ONU.

Segundo o responsável, “os conflitos na região dos Grandes Lagos, particularmente na República Democrática do Congo, resultaram num fluxo contínuo de refugiados para o Malawi, há mais de duas décadas, com um recente aumento de recém-chegados”.

O campo de Dzaleka, único campo de refugiados no pequeno país pobre da África Austral, localizado a cerca de 40 quilómetros (Km) da capital Lilongwe e inicialmente concebido para acolher 10.000 pessoas, tem hoje cerca de 56.000 refugiados, a maioria congoleses, segundo o PAM.

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), 560 novas chegadas foram registadas apenas em Setembro.

Em Março do ano passado, o campo tinha pouco mais de 49.000 refugiados.

A maioria são congoleses (62%), mas também burundeses (19%) e rwandeses (7%), sendo os restantes provenientes da Etiópia e da Somália.

A sobrelotação do campo de refugiados causa tensões, como o incidente desta semana, em que refugiados apreenderam um carro do PAM, para mostrar descontentamento com a retirada de 600 famílias das listas de beneficiários da distribuição de alimentos, de um total de 11.000.

“A assistência alimentar deve ser fornecida de acordo com a vulnerabilidade”, disse Turnbull, acrescentando que alguns refugiados abriram pequenos negócios ou encontraram outros meios de subsistência.

Segundo o representante da comunidade congolesa no campo, Romain Bijangala, contactado pela AFP, alguns refugiados “dormem de estômago vazio” e, “sem ajuda alimentar, certamente morrerão”.

O Leste da RDC é atormentado pela violência de grupos armados há quase três décadas.

A luta intensificou-se recentemente entre o Movimento 23 de Março (M23) e as Forças Armadas Congolesas (FARDC).

Mais de 232.000 civis foram deslocados desde o início das hostilidades, em Março, de acordo com o Departamento de Assuntos Humanitários da ONU na RDC (OCHA), e pelo menos 183.000 foram deslocados desde 20 de Outubro.

Revista Destemidos.