26/10/2022 05H49

PCA António Henriques da Silva abordou os desafios actuais

Angola apresentou, na oitava edição do “Rebranding Africa Forum – RAF”, realizada nos dias 21 e 22, em Bruxelas, na Bélgica, a estratégia de desenvolvimento e promoção do investimento privado.

Segundo uma nota de imprensa da Agência de Investimento e Promoção de Exportações (AIPEX) enviada ao Jornal de Angola, o evento teve como objectivo juntar executivos de topo das instituições para desenvolver estratégias e facilitar as trocas de impressões de como acelerar o desenvolvimento económico e social do continente africano.

O presidente do Conselho de Administração da AIPEX, António Henriques da Silva, dissertou no Painel 1 sobre o tema: “O papel dos Estados e das agências de promoção de investimentos na promoção do continente”.

O objectivo do painel, segundo o documento, foi discutir ainda as medidas a tomar para a transformação das agências de promoção de investimentos em armas potentes para os Estados, ajudando a atingir os objectivos dos planos de desenvolvimentos nacionais.

Visou ainda a criação dos instrumentos de legitimidade e trabalhos de equipa com actores institucionais e o ecossistema nacional que se envolvem na promoção do investimento (ministérios, agências governamentais, câmaras de comércio, grupos sectoriais para revigorar a função das Agências de Investimento em África.

Participaram também deste painel o presidente da Agência Nacional para a Promoção de Investimentos da República Democrática do Congo (ANAPI), Anthony Nkinzo, o director do Centro de Promoção de Investimentos da Costa do Marfim (CEPIC), Thierry Badou, e o secretário-geral do “Groupe Initiative Afrique”, Pascal Peyrou.

No âmbito da promoção e captação de investimento privado, o gestor disse que a AIPEX tem a missão de promover Angola com o objectivo de contribuir para o desenvolvimento socioeconómico, bem como o incremento e a diversificação das exportações de produtos e serviços do país.

A redução das barreiras burocráticas, a simplificação dos processos aduaneiros e a liberalização das tarifas aduaneiras são algumas das alavancas de acção da organização que permitirão liderar as reformas essenciais dos fundos para melhorar o comércio regional.

As actividades da “Rebranding Africa” visam assegurar que o clima empresarial melhore para o sector privado africano, (PME 90 por cento do sector privado africano), além dos investidores internacionais.

Revista Destemidos.