13/10/2022 10H55

Angola é um dos 32 países que diminuíram em 50%, ou mais, o seu Índice Global de Fome (IGF) desde 2000, apresentando ainda assim um nível “grave”, segundo um relatório anual apresentado hoje.

Intitulado “Transformação dos sistemas alimentares e governação local”, o relatório é elaborado anualmente pelas organizações não-governamentais (ONG) Welthungerhilfe e Concern Worldwide para analisar o estado da fome no mundo.

Na edição de 2022, os autores identificaram “sinais de progresso”, apesar da situação global ser “sombria e lúgubre”.

“As crises sobrepostas que o mundo enfrenta estão a expor as fraquezas nos sistemas alimentares, desde o global até ao local, e expondo a vulnerabilidade das populações de todo o mundo à fome”, refere-se.

Apesar destes indicadores desanimadores, o relatório sublinha “sinais de progresso, já que muitos países conseguiram reduções impressionantes na fome”.

Desde 2000, 32 países viram o seu IGF diminuir em 50% ou mais, incluindo pelo menos um país de quase todas as regiões do mundo.

Entre estes países está Angola, que apresenta um índice de 25,9 (64,9 em 2000), ainda assim considerado grave.

A nível dos países lusófonos, a Guiné-Bissau também baixou de 37,7 em 2000 para 30,8 em 2022, um nível grave. Cabo Verde apresenta um nível moderado de fome, com 11,8 (15,3 em 2000) e Timor-Leste 30,6 (37,7 em 2000).

Revista Destemidos.