05/10/2022  09H59

O município do Cazenga conta, desde ontem, com um espaço multimédia, destinado a jovens, para poderem desenvolver as suas competências e estarem preparados para o mercado de trabalho.

A iniciativa é dos ministérios da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social e da Educação, em parceria com o UNICEF, PNUD, INAPEM e Embaixada da Noruega.

De acordo com o secretário de Estado para o Trabalho e Segurança Social, o projecto vai beneficiar cerca de 4.000 jovens, numa primeira fase, e contribuir para o aprendizado inovador dos destinatários, através do Programa Juventude Digital.

Pedro Filipe disse que pretende-se que os jovens, com o processo de aprendizagem, proponham soluções aos problemas que enfrentam e posteriormente concorrer a oportunidades de emprego.

O empreendedorismo digital, destacou, é a solução de vários problemas que a sociedade enfrenta actualmente, porque faz com que os jovens tenham oportunidades de se firmar no mercado de trabalho, através do processo de aprendizagem.

Realçou que os jovens são chamados a participar de forma activa na resolução dos problemas locais.

Para participar do projecto os jovens podem aceder através do aplicativo Goodwall, disponível na Playsore e Apple Store.

 Iniciativa global 

De acordo com as linhas do projecto, o espaço serve de janela para uma iniciativa global da Juventude Digital e vai permitir que adquiram competências e conhecimentos relevantes de vários temas.

O Espaço Multimédia surge no âmbito do projecto piloto de reforço das competências dos jovens.

No espaço, serão disponibilizados recursos digitais, com ligação à Internet, 35 tablets e um projector de vídeo. Estarão disponíveis quatro turmas, que vão acolher os interessados em aumentar os seus conhecimentos, de duas em duas horas.

A iniciativa Juventude Digital consiste num processo de aprendizagem prático em que os jovens inscritos na plataforma Goodwall têm acesso à um conjunto de ferramentas, que visam aumentar os conhecimentos e habilidades, em diferentes áreas temáticas, como as alterações climáticas, empregabilidade, saúde mental, empoderamento das jovens mulheres e navegação segura na Internet.

O projecto está aberto a todos os jovens interessados, bastando ter acesso à Internet, inscrever-se e seguir as orientações da plataforma, que congrega jovens de várias partes do mundo.

Os jovens que participarem da iniciativa através do Espaço Multimédia ou por meio dos seus telemóveis poderão concorrer a prémios como tablets, computadores e telemóveis, além de aumentarem as suas habilidades em várias áreas e estarem conectados.

Parceiros estão optimistas 

O secretário de Estado da Educação para o Ensino Secundário, Gildo Matias, considerou ser uma iniciativa acertada para o futuro dos jovens.

A ministra Conselheira da Embaixada do Reino da Noruega, Mereth Luís, disse que o seu país está orgulhoso com o projecto, que visa promover acções inovadoras contra o desemprego em Angola.

O representante do UNICEF em Angola, Ivan Yerovi, disse que o projecto integra habilidades e competências para a vida e o trabalho no século XXI, nos diferentes sistemas de educação e aprendizagem.

Ivan Yerovi considera que a oportunidade vai permitir que os jovens enfrentem desafios que os tornem mais produtivos, aptos e bem preparados para a sociedade. O representante refere que o relatório do UNICEF, lançado há dois anos, aponta que 759 milhões ou 63 por cento de jovens entre 15 e 24 anos estava sem acesso à Internet.

Considera que esta exclusão cria desigualdades entre os países, comunidades e culturas. “É por esta razão que o UNICEF se associou ao projecto”.

Anunciou que todos os jovens com acesso à Internet e dispositivos em Angola podem participar do projecto, a partir de casa.

Jovens abraçam oportunidade 

Nazaré Vidal tem 39 anos. Vive no Morro Bento. Aderiu ao projecto por intermédio de uma tia, que falou da iniciativa, porque já tinha inclinação para trabalhar com as plataformas tecnológicas.

A jovem considera que nunca é demais aprender, por isso abraçou o projecto. Acrescentou que pretende criar novas ideias e partilhar as experiências.

Nazaré é muito inclinada a matérias sociais, relativamente a situações que ajudem a desenvolver problemas da sociedade.

Considera a iniciativa do Governo louvável e agradece pela oportunidade. “São projectos como estes que devem ser implementados nas escolas, para que todos tenham a oportunidade de desenvolver as suas competências”.

Anacleta Vida, de 16 anos, residente no município do Cazenga, conta que foi alertada pela mãe, para fazer parte do projecto. A menina disse que queria tentar a sorte e procurar aprender mais. Ela está mais inclinada a projectos ambientais e quer desenvolver as suas habilidades. 

Edivaldo Cristóvão

Revista Destimidos.