05/10/2022 09H41

O governador do Zaire, Adriano Mendes de Carvalho, desafiou o empresariado local e nacional, a instalar fábricas de transformação de produtos agrícolas que a região produz em grande escala, com vista a aproveitar as potencialidades locais e garantir emprego.

Para o governador, que falava à imprensa, depois de um encontro com o coordenador do Núcleo das Autoridades tradicionais do Lumbu, Afonso Mendes, a deslocação do ministro da Agricultura e Florestas ao Zaire, no âmbito da abertura do Ano Agrícola Nacional, vai ser aproveitada para abordar diversos assuntos, com destaque aos  projectos que podem contribuir para a instalação de fábricas para a transformação de produtos do campo e dinamizar a economia local.

“Como vamos estar com o senhor ministro da Agricultura, queremos acreditar que a partir daí poderão vir algumas ideias completamente boas. Vamos esperar, queremos acreditar que é possível a transformação de alguns produtos, temos que ter a agricultura a funcionar, mas também, temos que ter o sector industrial”, frisou.

A província do Zaire, como lembrou, consta da lista das grandes produtoras de citrinos, ananás, limão, abacate e outros que podem ser transformados para atender o mercado nacional.

“Somos grandes produtores de muitos citrinos, de muito ananás, da manga, ora, em qualquer parte do mundo, o álcool, os licores, etc, saem destes produtos todos, por causa dos açúcares, porque é que o Zaire, também, não pode aparecer?”, questionou o governador do Zaire, depois de frisar que “podemos produzir e, em grande escala”.

De acordo com Adriano Mendes de Carvalho, anualmente, a província do Zaire perde a maior parte da sua produção de laranja, de ananás e não só, por falta da indústria  transformadora que poderia gerar, também, emprego.

“Todos os anos perdemos muitos produtos. Há tanta laranja a perder-se, porque é que nós não aproveitámo-la, então é assim que convidamos as pequenas fábricas ou as grandes fábricas para podermos tirar a polpa da laranja, do ananás ou fazer o ananás em rodelas, fazer o doce de laranja. Logicamente, isto é possível se tivermos uma indústria a funcionar e, tendo a indústria a funcionar, sabe no que dá, emprego”, convidou.

Com este desafio que coloca nas mãos do empresariado local e nacional, como avançou o governador Adriano Mendes de Carvalho, visa tirar da letargia em que se encontra a província do Zaire, com vista a ombrear com as demais que também dispõem de potencialidades agrícolas.

“Como vamos ter aqui a abertura do Ano Agrícola Nacional, vamos ter alguns acertos com algumas entidades, entre eles o próprio ministro da Agricultura, o nosso objectivo é fazer com que a província do Zaire saia desta letargia e, com as suas potencialidades agrícolas, podermos levá-las ao bom porto e poder estar ombro a ombro com qualquer uma outra província que também, está bem no sector agrícola”, augurou.

Aproveitar a produção

Nesta conformidade, desafiou o empresariado local e nacional, no sentido de aproveitar a produção agrícola da região e, transformá-la para a sua exportação aos países vizinhos, com destaque para a República Democrática do Congo (RDC), ao invés de se deteriorar.

“Fica o desafio ao empresariado local, como nacional, porque se nós aproveitarmos tanta laranja que se perde por falta de transformação, podemos exportar para o país vizinho. Também, podemos produzir e vender produtos transformados para RDC, para as Forças Armadas Angolanas, para a Polícia Nacional, para os Hospitais, bem como aos supermercados, onde encontramos doce de laranja, doce de ananás proveniente de fora, quando eu tenho produto aqui”, desafiou o governador Adriano Mendes de Carvalho.

Para ele, “temos é que trazer ideias, por isso que eu digo, com relação à sua pergunta, fica completamente, o desafio do empresariado local e nacional, bem como lançamos até o repto a nível internacional”.

Disponibilidade

Por seu turno, o coordenador do Núcleo das Autoridades Tradicionais do Lumbu, Afonso Mendes, disse que a iniciativa constitui um desafio que deve ser abraçado por todos os empresários, no sentido de contribuir para o crescimento económico da província do Zaire, uma vez que a produção agrícola está disponível.

“É um desafio que deve ser abraçado por todos, porque a nossa produção, todos os anos, se perde, por falta de indústria que possa transformar a nossa produção agrícola. Nós temos muita laranja nos municípios do Tomboco, Nóqui e na comuna do Kindege, município do Nzeto que apodrece”, apelou.

O encontro entre o governador local e o coordenador do Núcleo das Autoridades Tradicionais do Lumbu, Afonso Mendes, realizou-se no domingo.

Jaquelino Figueiredo | Mbanza Kongo

Revista Destimidos.