05/10/2022 10H49

A Salina Calombolo, do Grupo AA, prevê para os próximos tempos incrementar a produção do sal para cerca de 400 mil toneladas por ano, contra os actuais 250 mil.

A garantia foi dada à imprensa pelo empresário Adérito Areias, responsável pela criação daquela unidade empresarial na província de Benguela.

O gestor fez questão de assegurar que a sua empresa já está a produzir o sal iodizado para todo o país, não havendo, por isso, a necessidade de se recorrer para a importação do referido produto.

Na sua óptica, o sal produzido nas Salinas Calombolo é de qualidade apurada para o consumo humano, prevendo que, com a funcionalidade, na plenitude do Corredor do Lobito, o sal venha a ser exportado na Região Central da África.

“É uma aposta que poderá fazer de Angola no maior exportador do sal nessa região, concretamente, na República Democrática do Congo, um dos maiores mercados de África, no que toca ao processo de compra e venda do referido produto”, referiu o também conhecido por Rei do Sal, na província de Benguela.

O empresário benguelense entende que os baixos preços, além da segurança e eficácia na transportação do produto através do comboio vai facilitar no aumento significativo do comércio do sal não apenas na Região Central, como na Austral.

“É um transporte, economicamente, seguro, a julgar pelos preços e rapidez que a mesma oferece no processo comercial”, precisou.

Com sede na cidade de Benguela, as unidades de produção afectas ao Grupo Empresarial Adérito Areias estão implantadas no município da Baía Farta.

A Salina Calombolo funciona desde 1989, dedicando-se à extracção e comercialização do sal marinho.

Detentora de um total de 2 461 hectares de terreno para a produção de sal divididos em três centros, designadamente, Calombolo, Baía Farta e Zeca Monteiro, cerca de 1000 (mil) funcionários estão engajados na produção do sal iodizado (saco de 25 quilogramas); sal para a salga de peixe; flor de sal (para tempero – 200 gramas); sal refinado e grosso higienizado e iodizado (1 quilograma) e sal de mesa refinado e grosso higienizado e iodizado (250 gramas).

É de salientar que grande parte desses produtos é comercializada em mercados locais nalgumas províncias do interior, com realce ao Huambo, Bié, Moxico, Lunda-Norte, Lunda-Sul e Cuando Cubango, respectivamente.

Júlio Gaiano | Lobito

Revista Destimidos.