22/09/2022 05H17

Apreensão dos produtos foi o resultado de várias denúncias

Um total de 900 sacos, de 25 quilogramas, de arroz, da marca “Tio Sam”, em mau estado de conservação, foi apreendido, numa obra abandonada, na cidade do Lobito, em Benguela, pelos Serviços de Investigação de Ilícito Penal, do Comando da Polícia Nacional.

O director do Gabinete de Comunicação do Comando Provincial, subintendente Ernesto Chiwale, informou que o referido órgão, afecta à Segurança Interna de Benguela, conseguiu deter os infractores com base em denúncias da população.

O oficial da Polícia Nacional explicou que um grupo de senhoras, com idades entre os 24 e 35 anos, comercializavam este arroz deteriorado no bairro da Cassai. Surpreendidas pelos investigadores de Ilícito Penal, as cinco comerciantes foram detidas no local, quando estavam a lavar e a secar o arroz ao sol, para posterior introdução no mercado.

“Os oficiais da Polícia Nacional quando chegaram ao local constataram que estas estavam a reaproveitar o arroz, fazendo a lavagem dos sacos para apagar qualquer vestígios da caducidade do arroz”, revelou.

A Polícia acredita, com base nas declarações do subintendente, que as detidas adquiriram o produto em armazéns afectos à Angoalissar. “Diligências vão ser feitas juntos daquela unidade empresarial para apurar as suspeitas”, disse.

Devido a quantidade de produto capturado, Ernesto Chiwale desconfia que, por detrás das detidas, existam outras figuras ligadas directamente ao processo. “É bem possível que haja mais pessoas envolvidas. As investigações vão continuar e, de certeza, vamos chegar aos implicados”, destacou.

Nos mercados paralelos do Lobito, um saco de 25 quilos, da marca “Tio Sam”, está a ser vendido no valor de 9.000 kwanzas. Nos armazéns da Angoalissar, os preços variam entre 8.500 kwanzas e 9.000 Kz.

Por: Júlio Gaiano / Lobito

Revista Destemidos.