O ministro turco da Defesa afirmou, sexta-feira, que o seu país apreendeu armas anti-tanque suecas usadas por alegados terroristas curdos no Iraque e na Síria, sublinhando a preocupação pela provável entrada do país na OTAN.

18/06/2022.  10H40

Hulusi Akar afirmou aos jornalistas, na sede da Aliança Atlântica em Bruxelas, que “o apoio político e financeiro sueco e finlandês a grupos terroristas, a sua ajuda armamentista (…) também são uma ameaça para a OTAN”.

“Em operações no Norte do Iraque e na Síria capturámos um grande número de armas anti-tanque AT-4 fabricadas na Suécia usadas por terroristas”, disse Akar, citado pela agência de notícias turca Anadolu.

“Divulgámos as fotos e números de série durante as nossas reuniões”, acrescentou o ministro turco sobre as conversas recentes com autoridades da Suécia e da Finlândia.

Akar lembrou ainda que seguidores de grupos curdos considerados terroristas pela Turquia, como as Unidades de Protecção Popular (YPG) e o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), costumam manifestar-se nas ruas da Finlândia e da Suécia.

“Consideramos que dar todo o tipo de apoio a organizações terroristas e depois exigir a participação na OTAN como aliada é uma grande inconsistência”, sustentou.

Akar exigiu, por outro lado, que a OTAN levantasse as restrições impostas à Turquia em relação à cooperação na indústria militar.

“Sublinhamos que essas restrições também prejudicam a OTAN e são incompatíveis com o espírito da Aliança”, concluiu o ministro, referindo-se ao facto de os Estados Unidos terem expulsado a Turquia do programa de desenvolvimento dos caças F-35 em 2019 por ter adquirido o sistema de mísseis russos S-400.

Revista Destemidos