O Ministério da Saúde (MINSA) vai continuar a reforçar o compromisso na melhoria dos cuidados de saúde nas comunidades, com realce para a assistência materno-infantil, de forma a responder às expectativas do Executivo de garantir o direito a uma vida saudável e com qualidade.

Sílvia Lutucuta reconhece a necessidade de mais trabalho no sector.

A ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, que falava no encerramento do I Fórum dos Cuidados de Saúde Primários e Imunização, que decorreu sob o lema “Cuida Angola”, afirmou que o Executivo está apostado em aumentar o acesso equitativo dos cuidados primários de saúde, com a construção de novos hospitais e admissão de novos técnicos.

Sílvia Lutucuta acrescentou que esse desafio deve contar com a participação activa da população e parceiros como a OMS, Unifec, Fundação Bill & Melinda Gates e outras que contribuem para a visão estratégica das acções que aceleram o acesso aos serviços de saúde das mulheres, crianças e jovens do país.

A ministra avançou que o sector continuará a focar as acções aos cuidados de saúde primários e ao financiamento e sustentabilidade na implementação das suas acções, sempre alinhados ao Plano de Desenvolvimento Nacional, com vista a responder às expectativas com a participação activa da população nas divisões da saúde e monitorização de suas intervenções por parte de todos os indivíduos e suas famílias.

O Executivo está a trabalhar de forma coordenada para que as acções possam ter impacto positivo sobre os determinantes sociais e ambientais de saúde, com o objectivo de alcançar a cobertura universal e o bem-estar da população.

Sílvia Lutucuta anunciou, ainda, que os profissionais da Saúde vão ser monitorizados anualmente, a realização de fóruns, tendo aproveitado para felicitar esses técnicos, por não pouparem esforços para a melhoria do sector.

Mas, apelou a um maior engajamento para o alcance célere da cobertura geral do pacote essencial de cuidados e serviços materno-infantis e o controlo de grandes endemias, mediante à alocação de recursos humanos, materiais e financeiros necessários.

A ministra reiterou o compromisso do Executivo em tornar efectivo o acesso universal aos cuidados de saúde primários, visando a redução acelerada da morbilidade, mortalidade e desnutrição infantil, a melhoria da saúde da mulher e o controlo de doenças como a malária, tuberculose e o VIH/Sida, assim como outras de impacto na mortalidade e produtividade nacional.  

Revista Destemidos