19/06/2022 10H53

Adalberto Costa Júnior discursou no 50º aniversário da LIMA

O líder da UNITA prometeu, este sábado, em Menongue, província do Cuando Cubango, abandonar a militância no seu partido, caso seja eleito Presidente da República, no pleito de 24 de Agosto.

Adalberto Costa Júnior, que fez a promessa quando discursava no acto central das comemorações do 50º aniversário da Liga da Mulher Angolana (LIMA – braço feminino da UNITA), justificou o congelamento da militância com a necessidade de “governar com todos e para todos os angolanos”.

 Na óptica do político, Angola precisa urgentemente de um Presidente que esteja acima de qualquer partido e coligação de partidos políticos, dedicado no combate à corrupção e à pobreza e no trabalho para a coesão nacional.

 Defendeu um “pacto de regime” que garanta estabilidade do país, tendo em conta que o estilo de governação é partilhado com todos os partidos políticos, para o bem do povo que “muitas vezes sofre muito devido às decisões menos boas que os dirigentes tendem a implementar”.

 “O pacto de regime que a UNITA pretende baseia-se no cumprimento das metas preconizadas para a edificação de um determinado programa, para o alcance da melhoria, estabilidade e desenvolvimento de todos os cidadãos”, esclareceu o também deputado, para quem um Estado Democrático e de Direito não pode ser partidarizado.

 Adalberto Costa Júnior disse que é imprescindível que, a 24 de Agosto, todos os angolanos votem em paz e respeito, para que o seu partido vença as eleições gerais e possa proporcionar a mudança e alternância no país.

 “A melhoria da vida dos angolanos tem que ser feita através do voto secreto, em Agosto próximo. Para a mudança de paradigma no nosso país, é necessário eleger na mudança”, referiu, exortando os eleitores a deslocarem-se aos BUAP para certificar os locais onde vão exercer o dever de cidadania.

O acto alusivo ao aniversário da organização feminina da UNITA decorreu sob o lema “LIMA-50 anos de patriotismo, unidade e solidariedade para alternância do poder político”.

Subvenção no Ensino e na Saúde

A UNITA pretende subvencionar o Ensino e a Saúde no país, caso vença as eleições gerais de 24 de Agosto de 2022, anunciou, ontem, o primeiro secretário provincial do partido no Moxico.

João Muzaza Caweza, falando no acto político de massa para assinalar a abertura da pré-campanha eleitoral da UNITA no México, disse que o partido tem políticas seguras para fazer com que o Estado seja capaz de desenvolver o país em todos os sectores da vida, para o bem-estar das populações.

O político referiu que a UNITA tem vocação para a governação, sobretudo, em sectores como a Saúde, Educação, Agricultura, Comércio e outras áreas que concorrem para o desenvolvimento pleno do país.

Para que a UNITA seja Governo, João Caweza disse que é importante que, a 24 de Agosto, todos os militantes e simpatizantes depositem o voto no partido e no candidato a Presidente da República, Adalberto Costa Júnior.

“Em 56 anos como partido histórico, não fazemos as coisas pela força, mas pela inteligência, porque acreditamos que a inteligência supera a força e usamos a inteligência para fazermos o nosso trabalho e, consequentemente, alternarmos o poder que é o nosso grande objectivo”, afirmou.

Disse ainda que a UNITA pretende que as próximas eleições sejam realizadas num clima de paz e harmonia e que, no final, sejam consideradas livres, justas, credíveis e transparentes, em que ganhe aquele que o povo der o voto.


Por: Lourenço Bule / Menongue  e  José Rufino / Luena
.

Revista Destemidos.