17/06/2022 07H20

Carolina Cerqueira (ao centro) presidiu a abertura do I Fórum dos Cuidados de Saúde Primário

O Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM) permitiu a construção e apetrechamento de 31 unidades de saúde em todo o território nacional, revelou, quinta-feira, em Luanda, a ministra de Estado para a Área Social.

Carolina Cerqueira, que presidia ao acto de abertura do 1º Fórum dos Cuidados de Saúde Primários e Imunização, realizado no Centro de Convenções de Talatona (CCTA), disse que, além do PIIM, o Programa de Investimentos Públicos (PIP), possibilitou a construção de outras 54 unidades de saúde.

A ministra de Estado sublinhou que, com a conclusão dessas obras, o país ganhou, nos últimos quatro anos, um total de 85 unidades de saúde. “Tudo isso é fruto de um forte investimento feito pelo Executivo angolano, com o objectivo de melhorar a assistência nos cuidados primários de saúde”, realçou.

Carolina Cerqueira fez saber que o surgimento de mais infra-estruturas sanitárias permitiu que fossem enquadrados no sector da Saúde perto de 33.093 novos profissionais na carreira especial, sendo que os médicos, maioritariamente jovens, já iniciaram a formação especializada nas referidas localidades, sobretudo, nos domínios da Medicina Geral e Familiar.

A ministra de Estado avançou que o investimento estruturante que está a ser feito na Saúde reflecte-se, também, na melhoria dos principais indicadores dos Programas da Saúde Materno-infantil e da Nutrição, originando o aumento do acesso, da cobertura de pré-natal e do parto institucional e a redução da mortalidade materna infantil.

No que toca à malária, Carolina Cerqueira explicou que se registou uma redução da taxa de letalidade, tendo em conta a melhoria no diagnóstico precoce e tratamento adequado, enquanto na luta contra a tuberculose constatou-se um aumento da rede de serviços de atendimento às pessoas infectadas, resultando num sucesso de tratamento na ordem dos 80%, em 2021.

A governante acentuou que o Executivo deu, também, uma atenção especial às doenças crónicas não transmissíveis que mais afectam a população, como a hipertensão arterial e a diabetes, através do aumento de unidades sanitárias do primeiro nível, onde é fácil fazer-se o diagnóstico e seguimento dos utentes com estas patologias.

A ministra de Estado realçou que já se regista uma melhoria substancial a nível da assistência médica e medicamentosa, por causa do aumento da logística com compras agrupadas, através de concursos públicos, com o recurso à plataforma electrónica do Ministério das Finanças. 

Apesar desses avanços, Carolina Cerqueira reconheceu que há muito ainda por fazer. Por isso, o Executivo vai continuar a reformar o Sistema Nacional de Saúde, com objectivo de se consolidar os ganhos já alcançados e combater com determinação as insuficiências no sector.

A governante defende que “só com a melhoria das condições de trabalho e sociais é que os profissionais da Saúde vão poder trabalhar com maior responsabilidade e olhar para os doentes com mais amor, solidariedade e humanismo”.

Quanto ao fórum, considerou que essa primeira edição constitui uma excelente oportunidade para se analisar, em conjunto, os trabalhos realizados no domínio dos cuidados de saúde primários, dos esforços consentidos e da projecção do muito que ainda há por alcançar e no compromisso do Executivo com a saúde dos angolanos.

Durante o Primeiro Fórum de Cuidados de Saúde Primário e Imunização, foram apresentados temas relacionados com a universalização dos cuidados de saúde primários e o financiamento do pacote essencial, compromissos nacionais pela saúde da criança, da mulher e de luta contra grande endemias, do financiamento da saúde como factor sustentável para melhorias da saúde nos municípios.

O fórum foi realizado pelo Ministério da Saúde, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Fundação Bill e Melinda Gates e a Aliança das Vacinas (GAV).

Por: Alexa Sonhi.

Revista Destemidos.