17/06/2022 21H44

Líderes do Ensino exortados a aplicar melhor os recursos financeiros para o bem do sector

A Associação dos Estudantes das Universidades Privadas de Angola (AEUPA) pediu, quarta-feira, em Luanda, que os recursos disponíveis no sector vitais da sociedade, com destaque para a Educação, sejam geridos com maior transparência.

O presidente da AEUPA, Joaquim Caiombo, que falava no Ciclo de Conferências sobre o Combate à Corrupção e Crimes Conexos, referiu que a Educação é um sector que tem um papel fundamental na formação do homem e, por isso, pode ajudar a combater esses males que enfermam a sociedade angolana.

Por isso, realçou o lançamento desse ciclo de conferências, que decorreu sob o lema “Líderes Estudantis, Unidos para a Erradicação da Corrupção no Subsistema de Ensino Superior em Angola”, disse que o objectivo é que os gestores de instituições do Ensino Superior Público e Privado façam a execução dos projectos e dos recursos financeiros de forma positiva.

Joaquim Caiombo realçou que a iniciativa visa, igualmente, contribuir para a implementação do quadro políticolegal e do Plano Estratégico para a Prevenção e Combate à Corrupção nas Instituições de Ensino.

O presidente da AEUPA avançou que é hora dos académicos darem o contributo no processo de prevenção aos crimes conexos. “Queremos dizer basta à corrupção no sector da Educação, por ser um mal que destrói as nações, anula sonhos e adia o futuro do país”.

Joaquim Caiombo disse ser preciso preparar a juventude com temáticas que tragam soluções à sociedade, e velar pelo futuro que o milénio indica. Acrescentou que o combate aos crimes conexos não deve ser uma bandeira levada por um órgão só, mas sim, por toda a sociedade.

O director nacional da Juventude, Kikas Machado, que falou em representação do secretário de Estado do sector, Fernando João, disse que a corrupção e o tráfico de influências são antivalores, cujo combate deve ser obrigação de todos.

Kikas Machado realçou que, pela primeira vez, no país, foi aprovada a Política da Juventude, que prioriza sete áreas de actuação e que cobre os programas-chave para o desenvolvimento integral dos jovens.  

Destacou que, em 2016, a União Africana lançou o roteiro para o alcance do dividendo demográfico, através dos investimentos da agricultura, que prevê três eixos fundamentais, nomeadamente o Empreendedorismo, Educação, Saúde e o bem-estar para empoderar os jovens. 

Resposta pontual aos crimes 

O procurador-geral adjunto da República, João Luís Freitas Coelho, assegurou que todos os casos que chegam à instituição relacionados à corrupção e crimes conexos são tratados pontualmente.

O responsável salientou que o combate à corrupção não tem sido um empecilho, apesar de o Código do Processo Penal conter algumas brechas aproveitadas pelos advogados, em certas medidas, nas fases de julgamento para a dilatação de alguns prazos, o que resulta no atraso de certos processos que se encontram em tribunal.

Por: Alberto Quiluta.

Revista Destemidos.