16.06.2022 20H48

Um helicóptero sobrevoa o terminal de gasoduto Nord Stream antes de uma cerimônia inaugural para o primeiro gasoduto de 1.224 quilômetros de Nord Stream através do mar Báltico, em Lubmin, 8 de novembro de 2011 - Sputnik Brasil, 1920, 16.06.2022

Na medida em que Itália, Áustria e Eslováquia já constatam redução na oferta de gás, vice-chanceler alemão alerta para a crise.

Segundo o Financial Times, Berlim fez um apelo aos cidadãos da maior economia da União Europeia (UE) para economizar energia. Na medida em que os países ocidentais se recusam a cumprir as regras estabelecidas por Moscou para que o fornecimento de gás seja mantido, o fluxo para Europa vai se tornando cada vez mais limitado.

O vice-chanceler da Alemanha, Robert Habeck, disse que a situação é “séria” e que “agora é a hora” de empresas e cidadãos comuns economizarem energia e armazenarem gás. “Cada quilowatt-hora ajuda nessa situação”, disse a autoridade em apelo publicado no Twitter nesta quinta-feira (16).

A Gazprom, gigante russa exportadora de gás, cortou os fluxos através do gasoduto Nord Stream (Corrente do Norte), que corre sob o mar Báltico até a Alemanha, em 60% nos últimos dias, por conta de problemas técnicos. A Alemanha afirma que a medida é política.

Nesta quinta-feira, a maior empresa de fornecimento de energia da Alemanha, RWE, relatou fluxos reduzidos de gás, enquanto na Itália os fluxos foram reduzidos em 15% na quarta-feira (15), caindo para 30% nesta quinta, de acordo com a empresa italiana de energia Eni. No caso austríaco, a empresa de energia OMV disse ter sido informada pela Gazprom que os volumes de entrega seriam cortados.

Revista Destemidos.