14.06.2022 21H12

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, reage ao se encontrar com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, em Downing Street, Londres, 13 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 14.06.2022

Primeiro ministro de Portugal, António Costa, acredita que o bloco deveria se concentrar em dar apoio prático a Kiev em seu confronto com a Rússia.

A União Europeia deveria se concentrar em fornecer ajuda imediata à Ucrânia, em vez de se envolver em debates legais sobre a designação do país como candidato à adesão, afirmou o primeiro ministro de Portugal ao Financial Times (FT) nesta terça-feira (14).

Para Costa, colocar Ucrânia na posição de candidato à adesão ao bloco, tema que vai ser tratado na próxima cúpula em Bruxelas, nos dias 23 e 24 de junho significaria criar falsas expectativas de que as questões mais urgentes do país seriam resolvidas. Segundo ele, a discussão poderia apenas expor as divisões internas do bloco, favorecendo o posicionamento adotado pelo presidente russo, Vladimir Putin, na crise europeia.

O premiê, no entanto, apoiou uma perspectiva europeia para a Ucrânia e não se opôs explicitamente ao status de candidato, dizendo que estava aguardando uma avaliação da Comissão Europeia nesta semana.

Meu foco é obter, no próximo Conselho Europeu, um compromisso claro sobre o apoio urgente ao país e construir uma plataforma de longo prazo para apoiar a recuperação da Ucrânia, disse ele ao FT em Londres. Esta é a minha principal prioridade. O mais importante não são os debates legais sobre a Ucrânia, mas as entregas práticas.

Revista Destemidos.