11/06/2022 16H38

Presidente da República, Camarada João Lourenço.

O presidente do MPLA, João Lourenço, defendeu este sábado, na cidade do Luena, província do Moxico, que “não é possível desenvolvermos o país só com os políticos”, reforçando que “a única forma de desenvolvermos o país é com a ciência”, para justificar a escolha da candidata a Vice-Presidente da República, Esperança da Costa, ligada à academia.

O líder do MPLA, que discursava no acto de massas, no quadro da pré-campanha eleitoral para o pleito de Agosto próximo, perante aos militantes, amigos e simpatizantes, naquela cidade mais a Leste do país referiu que os políticos procuram fazer opções políticas correctas, para quem “esta é a missão dos políticos”.

“Mas daí para frente cede lugar ao saber à ciência e à técnica”, sublinhou, João Lourenço, para justificar a aposta do partido na escolha de mulher ligada ao mundo académico para candidata a Vice-Presidente da República de Angola.   

“Infelizmente não pudemos trazer a candidata para que eu possa apresentar por estar a cumprir uma missão importante do Estado no estrangeiro que a impossibilita de estar aqui no Luena hoje, informou, assegurando que ela será suficientemente conhecida até ao dia 24 de Agosto na condição de candidata a Vice-Presidente da República pelo MPLA, Esperança da Costa. 

A candidata do MPLA a Vice-Presidente da República para o período 2022-2027 foi apresentada publicamente na cidade de Mbanza Kongo, no Zaire, pelo presidente do partido, João Lourenço, durante o acto político de massas.

Perfil da candidata 

Esperança Maria Eduardo Francisco da Costa (actual secretária de Estado das Pescas) é doutorada em Fitoecologia, pela Universidade Técnica de Lisboa. Tem o mestrado em Produtividade Vegetal, Instituto Superior de Agronomia, Universidade Técnica de Lisboa.

Profissionalmente, de 2020 à presente data exerce o cargo de secretária de Estado para as Pescas. Entre 2010 a 2020 foi directora do Centro de Botânica da Universidade Agostinho Neto, enquanto no período 2007-2010 exerceu o cargo de directora Nacional da Expansão do Ensino Superior do Ministério do Ensino Superior.

Do seu curriculum consta ainda o cargo de vice-reitora para a Expansão Universitária da UAN (2002 – 2007), fundadora do Centro de Botânica da UAN. Entre 1997– 2002 foi vice-directora de Assuntos Científicos na coordenadora nacional da Rede de Estudos de Biodiversidade (SABONET) da SADC, ponto focal para África Austral da Rede internacional de Ciências, IFS, entre outros cargos.

Membro do Comité Central do MPLA, desde 2019, Esperança da Costa passou pelas diversas estruturas do partido, na OMA e na JMPLA.

Revista Destemidos.