06/06/2022 00H23

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou os Estados Unidos da América (EUA) de “apunhalar” a próxima Cimeira das Américas, que decorre na próxima semana em Los Angeles, pela sua intenção de excluir Venezuela, Nicarágua e Cuba.

O próprio governo dos EUA encarregou-se de dar uma punhalada nas possibilidades de sucesso desta cimeira”, afirmou Maduro em entrevista à Rádio del Sur, acrescentando: “É uma contradição realizar uma Cimeira das Américas em Los Angeles. Isto não é uma Cimeira, é uma reunião”.

Paralelamente, o chefe de Estado venezuelano realçou a “coragem” de mais de 25 países que expressaram a sua solidariedade e a sua rejeição das políticas de exclusão do governo dos EUA.

“Estão a tentar realizar uma cimeira, mas isto não é uma cimeira e muito menos uma cimeira das Américas. Quase 90 por cento dos governos do continente tiveram a coragem, de diferentes maneiras, de expressar o seu protesto contra a exclusão”, vincou.

Em particular, Nicolás Maduro destacou o homólogo argentino, Alberto Fernández, que participará na reunião. “É muito bom que ele traga a voz da América Latina e das Caraíbas ao encontro das Américas”, disse, elogiando “um parceiro que quer ajudar a Venezuela e a região” e que se opõe à exclusão venezuelana: “Em todas as suas viagens fala da necessidade de levantar as sanções contra Venezuela e Cuba”.

A cimeira terá lugar de 6 a 10 de Junho em Los Angeles e, até agora, Cuba, Nicarágua e Venezuela não foram convidadas como represália por violações dos direitos humanos. Os países da Comunidade dos Estados das Caraíbas (CARICOM) já avisaram que não vão comparecer no evento.

Revista Destemidos.