02/06/2022 09:11 

O sector da Agricultura da Caála, província do Huambo, prevê uma colheita de 900 mil toneladas de milho, até ao final da campanha agrícola iniciada em Setembro de 2021, de acordo com o administrador do município, Rubem Etome.

Numa breve comunicação, Rubem Etome disse que mais de 20 mil famílias camponesas beneficiaram de ajudas directas do Governo da Província do Huambo (GPH) na presente campanha, essencialmente na compra de “inputs” agrícolas e da cesta básica.

O administrador sublinhou que as práticas melhoradas para cultivo, que os camponeses recebem nas Escolas de Campo, ajudam a elevar os níveis da produção na região e estão a estimular o aumento da produtividade e da autonomia financeira das famílias.

“No âmbito de vários programas que o Governo está a aplicar junto dos camponeses, está a potencializar os agricultores no cultivo em escala de vários produtos, como feijão, milho, batata, entre outros cereais”, disse.

O aumento da produção, salientou, resulta, também, da distribuição de “inputs” agrícolas em campos cultivados pelas famílias camponesas, que incentivou o aumento da produção que deve melhorar a qualidade de vida dos beneficiários e contribuir para o desenvolvimento socioeconómico da região.

Por outro lado, a Administração Municipal da Caála, através do desembolso das despesas de apoio ao desenvolvimento, instalou 32 luminárias de iniciativa local, que permitem superar a iluminação pública integral. Porém, mais 15 outras, sustentadas por painéis solares, serão aplicadas na comuna da Catata, nos próximos dias.

A directora da Estação de Desenvolvimento Agrícola (EDA) no Ukuma, Benévola Aguiar, disse que o projecto MOZAP II, executado pelo Ministério da Agricultura, perspectiva melhores colheitas. O projecto visa a valorizar a produção familiar, para o alcance da auto-suficiência alimentar e combate à pobreza.

No município do Ukuma são controladas 86 Escolas de Campo, onde já foram formados 2.580 camponeses. Benévola Aguiar disse que o projecto está a contribuir para o aumento da produção, sendo já possível a diversificação de culturas em todo o município, com o cultivo de hortícolas em qualquer época do ano.

A directora da EDA disse que a metodologia da Escola de Campo se revela de grande importância, já que a troca de experiência está a melhorar a relação entre os camponeses e pesquisadores e ajuda a fortalecer a capacidade dos camponeses na tomada de decisões, que resultam sempre na melhoria significativa e sustentável das lavouras e no aumento da auto-estima.

Revista Destemidos.