O patrão da Tesla enviou um e-mail aos trabalhadores onde declara que “o trabalho remoto deixou de ser aceitável. Entretanto, os trabalhadores da empresa na China não podem abandonar a fábrica e alguns têm até de dormir no chão das instalações

O CEO da Tesla, Elon Musk, enviou um e-mail aos trabalhadores da empresa onde afirma que “o trabalho remoto deixou de ser aceitável”, adiantando que quem está descontente com a decisão pode abandonar a fabricante de automóveis.

“Qualquer pessoa que deseje fazer trabalho remoto deve estar no escritório para um mínimo de 40 horas semanais”, escreve Musk. “Se houver colaboradores particularmente excecionais para quem isto seja impossível, analisarei e aprovarei essas exceções diretamente”.

Confrontado com este e-mail através do Twitter, Musk afirmou que quem quiser ficar em teletrabalho “deve fingir que trabalha em outro lado”.

O patrão da Tesla fez questão de notar que estas 40 horas semanais dos trabalhadores dos escritórios da Tesla é “menos do que se pede aos trabalhadores das fábricas” da empresa, com a Bloomberg a notar que as condições destes trabalhadores são significativamente diferentes.

publicação norte-americana conta que os trabalhadores da fábrica da Tesla na China estão, neste momento, praticamente presos no local onde desempenham as suas funções em turnos de 12 horas, seis dias por semana.

Estes mesmos trabalhadores são transportados em veículos da empresa para dormitórios nas imediações da fábrica, com alguns deles a terem mesmo de dormir no chão das instalações. O objetivo de impedir que os trabalhadores se dirijam às próprias deve-se à intenção de prevenir que algum dos trabalhadores teste positivo à Covid-19, resultando num atraso de produção dos carros elétricos da marca.

Sabe-se que a Tesla deverá manter este sistema de trabalho até meio de junho.