O vice-presidente do Conselho Superior da Magistratura do Ministério Público (CSMMP), Luís da Mota Liz, em representação do presidente, Hélder Pitta Groz, conferiu, esta segunda-feira, posse à nova titular da Procuradoria-Geral da República (PGR) na Huíla, Celma Moreira da Silva Lourenço, nomeada recentemente, em sessão plenária do CSMMP.

01/06/2022  06H14

Magistrada traduziu em duas palavras o mandato: força e saúde.

Com o acto de posse da procuradora Celma Lourenço, quatro províncias passam a ter mulheres na chefia da PGR, designadamente Malanje, Bengo, Cuanza-Norte e Huíla. A PGR na província do Moxico, entretanto, já foi dirigida por uma mulher.

Mota Liz considerou não ter sido uma escolha do acaso a nomeação de Celma Lourenço. Disse ter sido o resultado de um conjunto de actos combinados, em função do seu trabalho, dedicação, inteligência e entrega, que fizeram com que o colectivo reconhecesse em si capacidade de liderança.

O magistrado lembrou que a procuradora vai conduzir a direcção de uma “província importantíssima, quanto a da Huíla”, com grande valor económico e densidade populacional considerável. Disse acreditar que Celma Lourenço coloque os interesses da instituição acima de qualquer interesse pessoal.

A nova procuradora titular na Huíla agradeceu a oportunidade e confiança em si depositadas pela PGR e traduziu em duas palavras aquilo que considera essencial para o seu mandato: “força e saúde”.

A cerimónia de tomada de posse teve lugar no salão nobre do Palácio da Justiça, em Luanda, e contou com as presenças do vice-procuradora geral da República para a Esfera Militar, Filomeno Octávio, e dos procuradores-gerais adjuntos Luciano Cachaca, Margarida Gonçalves, Pulquéria Van-Dúnem, Pedro Mendes de Carvalho, Domingos Joaquim e outros membros do CSMMP.

Revista Destemidos.