Uma delegação empresarial dos Emirados Árabes Unidos (EAU), composta por responsáveis seniores da empresa Damac Infra Investiment LLC, foi recebida, esta terça-feira, em audiência, pelo presidente do Conselho de Administração da Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações (AIPEX), António Henriques da Silva, na sequência do memorando de entendimento assinado recentemente no Dubai, entre a instituição angolana, representando o Governo angolano, e o investidor.

A delegação dos EAU é composta pelos vice-presidentes para Investimentos e  Aquisições, Anastasia Kozyraki, e para Assuntos Jurídicos, Henry Shatwell, e está em Luanda para dar início ao projecto de requalificação de vastas zonas da cidade capital.

Segundo o presidente da AIPEX, a assinatura do me-morando vem cumprir a estratégia do Governo, que visa melhorar e estimular o emprego local, de forma a proporcionar qualidade de vida à população e promover o desenvolvimento harmonizado e sustentável da economia, através da reconstrução e modernização de certas áreas da cidade de Luanda.

Citou que os empreendimentos se circunscrevem ao Futungo de Belas, onde será implementado o investimento misto denominado “Projecto Futungo”, e no antigo mercado Roque Santeiro, onde vai ser criado e desenvolvido um projecto de utilização mista, na área de Santa Bárbara.

Os investimentos são todos no sector Imobiliário e nele participam as associadas da DAMAC Properties, que já estão prontas para arrancar com os trabalhos no país. Henriques da Silva disse que as referidas empresas vão explorar o mercado de construção de alto padrão, zonas residenciais, hotéis, escritórios, campos de golfe e outros interesses.

O memorando de entendimento consiste no início de actividades exploratórias e serve, também, para dar oportunidades de investimentos em várias áreas a conceder pelo Estado angolano.

O acordo foi rubricado pelos presidentes AIPEX e da DAMAC Properties, testemunhada  pelo ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República, Adão de Almeida. O documento assinado resultou da audiência concedida pelo Chefe de Estado, João Lourenço, ao presidente do grupo Hussain Sajwani.

Na altura, o empresário bilionário, de 69 anos, confessou ter escolhido Angola para acolher o reputado investimento, “por ser um país muito proeminente a nível de África Austral e Central, mais, por ter uma liderança bastante visionária”.

Neste contexto, a empresa dos Emirados já apresentou um modelo de projectos residenciais, especialmente, direccionados para Angola. A DAMAC Properties foi fundada em 2002 e rapidamente se tornou num dos principais promotores imobiliários do Dubai.

Revista Destemidos.