O assessor do presidente russo e líder da delegação russa nas negociações com Kiev, Vladimir Medinsky, informou após o termino do primeiro dia de conversações que Kiev promete desistir da entrada em alianças militares.

“A Ucrânia desiste da adesão a alianças militares, da implantação de bases militares estrangeiras, de contingentes, da organização de manobras militares no território ucraniano sem aprovação dos Estados garantes, inclusive da Federação da Rússia”, disse o assessor no ar do canal de TV Pervy.

As propostas da Ucrânia a respeito do sistema de garantias de segurança pressupõem que elas não se aplicam ao território da Crimeia e Donbass, segundo contou Medinsky.

“A fim de cumprir o status não nuclear fora dos blocos, segue depois uma lista dos Estados-garantes, que garantem a segurança da Ucrânia”, detalhou.

“As garantias de segurança não se aplicam aos territórios da Crimeia e Sevastopol, quer dizer, a Ucrânia desiste de sua intenção de retomar a Crimeia, Sevastopol pela via militar e declara que isso é possível exclusivamente por via negocial. Certamente, isso não corresponde de forma nenhuma à nossa posição, mas a Ucrânia formulou assim sua abordagem.”

Ele ressaltou que as garantias de segurança para a Ucrânia “não se estendem àquela parte da Ucrânia que ela denomina como certas áreas das regiões de Donetsk e Lugansk”, acrescentando que os lados vão formular separadamente como eles veem esse ponto.

Por seu lado, Kiev insta que a Rússia não se oponha à entrada da Ucrânia na União Europeia, confirme Medinsky.

Conforme resumiu o delegado, as propostas ucranianas são “um passo construtivo rumo ao compromisso” e a Rússia vai ponderá-las todas.

Revista Destemidos.

G.G.M.Â