“As posições estão a convergir em pontos secundários. Mas nas principais questões políticas, continuamos afastados”, disse Vladimir Medinsky, negociador-chefe de Moscovo, citado por agências noticiosas russas.

“O processo de negociação é muito difícil”, disse, por sua vez, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, num comunicado, adiantando que não há qualquer “consenso” com Moscovo nesta fase das conversações.

Horas antes deste comunicado, o Presidente turco, Recep Erdogan, tinha assegurado que a Rússia e a Ucrânia haviam concordado em quatro dos seis pontos do documento de negociação, mas Kuleba rejeitou, depois, esse cenário.

“Não há consenso com a Rússia sobre os quatro pontos mencionados pelo Presidente da Turquia”, garantiu Kuleba, saudando, no entanto, “os esforços diplomáticos” turcos “destinados a acabar com a guerra”.

Medinsky explicou que Moscovo pretende um “tratado abrangente”, tendo em conta as suas exigências de neutralidade, desmilitarização e “desnazificação” da Ucrânia, bem como o reconhecimento da soberania russa da Crimeia e da independência das duas repúblicas separatistas do Donbass.

De acordo com o negociador-chefe russo, a Ucrânia “está essencialmente preocupada em obter garantias de segurança de terceiros, no caso de não poder integrar a OTAN”, o que Moscovo considera “totalmente inaceitável”.

Do lado da diplomacia ucraniana, há agora a esperança de que a Turquia e outros países permaneçam “interessados em restaurar a paz”.

Depois de terem começado com reuniões físicas entre delegações, as conversações entre a Rússia e a Ucrânia estão agora a decorrer por videoconferência, quase diariamente.


Lavrov acusa Ocidente  de declarar “guerra total”

Ministro da diplomacia russa denuncia as sanções do Ocidente

O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov, acusou, ontem, o Ocidente de ter declarado uma “guerra total” à Rússia com o objectivo de “destruir” a sua economia e o país.

“Foi-nos declarada uma guerra híbrida total, com o objectivo de destruir, quebrar, aniquilar, estrangular a economia russa, e a Rússia no seu todo”, afirmou Lavrov durante um encontro com uma fundação diplomática russa.

“Este termo (guerra total), que utilizava a Alemanha hitleriana, é agora pronunciado por muitos políticos europeus quando explicam o que pretendem fazer à Rússia”, precisou.

O desempenho central da Rússia na derrota da Alemanha de Hitler em 1945 permanece no centro da identidade nacional russa e do discurso patriótico de Vladimir Putin.

O Presidente russo tinha já utilizado estes termos, numa alusão ao regime nazi, quando denunciou o “blitzkrieg” económico do Ocidente ou comparou as sanções aos “pogroms anti-semitas”.

No decurso da intervenção de ontem, Lavrov também observou que as duras sanções ocidentais demonstram claramente “que todos os valores que infundem os colegas ocidentais, a liberdade de expressar as suas opiniões, a economia de mercado, a inviolabilidade da propriedade privada, não valem nada para eles”.

“Quando o Ocidente necessitou de fazer algo de concreto contra a Rússia, desprezou esses valores”, frisou.

No decurso do primeiro mês no que é descrito pela Rússia como uma “operação militar especial” na Ucrânia, com a entrada de milhares de soldados no país vizinho e também com o objectivo de garantir a “desnazificação” do regime de Kiev, o Ocidente impôs diversas medidas dirigidas à cadeia logística, à economia e ao sistema financeiro russo, que também abrangem o Presidente Vladimir Putin e diversos oligarcas russos.

No entanto, Lavrov assegurou que a Rússia não está isolada.
“Temos muitos amigos, aliados, parceiros no mundo, um grande número de associações com quem a Rússia trabalha em países de todos os continentes, e vamos continuar a fazê-lo”, disse Lavrov.

O chefe da diplomacia russa também condenou a resolução aprovada pela ONU na quarta-feira que condena a designada “operação militar especial” e pede a retirada imediata das tropas russas.

Revista Destemidos