O Governo da África do Sul anunciou, esta terça-feira, o fim da obrigatoriedade do uso de máscara ao ar livre pela primeira vez desde 2020 e aboliu a exigência de teste PCR negativo para quem entrar vacinado no país.

As medidas foram justificadas com o anúncio de que a África do Sul entrou numa “nova fase” da pandemia de Covid-19.

A flexibilização das medidas sanitárias – que o país aguarda há semanas com expetativa – foi comunicada no final do dia pelo Presidente Cyril Ramaphosa, num discurso transmitida pela televisão e entra em vigor nesta quarta-feira.

“Estamos num ponto de viragem. Agora estamos prontos para entrar numa nova fase de gestão da pandemia”, disse o chefe de Estado sul-africano, antes de argumentar que depois de “quatro vagas de infeções” já há “muito menos mortes” resultantes da doença Covid-19 e “poucas pessoas ficam gravemente doentes”.

Entre as medidas anunciadas está a eliminação da obrigação de usar máscara no exterior, pela primeira vez desde o início da pandemia, embora os sul-africanos devam continuar a usá-la em ambientes fechados.

As restrições de lotação também são flexibilizadas, especialmente para os eventos e locais que apliquem o controlo com certificados de vacinação, e o distanciamento social é reduzida para um metro.

Para os viajantes que cheguem ao país, continua a ser obrigatória a apresentação de comprovativo de vacinação contra a Covid-19 ou teste PCR negativo até 72 horas, detalhou Cyril Ramaphosa.

Apesar dessas medidas, o país manterá um “estado de calamidade nacional” até pelo menos abril – uma situação excecional que já dura há mais de dois anos e tem sido duramente criticada por grupos da oposição -, esperando que nova legislação de controlo sanitário seja aprovada.
Revista Destemidos.

G:G:M:Â