Em declarações à comunicação social, o primeiro-ministro coloca em destaque a “força militar portuguesa” que vai ser enviada para território romeno.

António Costa diz que a “força militar portuguesa”, ao demonstrar que está “preparada” para reagir contra qualquer ataque que, eventualmente, possa ser perpetrado pelas forças russas contra o território que faz parte da Aliança Atlântica, a NATO está, também, a prestar o seu “apoio” à Ucrânia. 

Em declarações proferidas à comunicação social, durante uma visita ao Campo Militar de Santa Margarida, em Constância, o primeiro-ministro afirmou que esta atitude de apoio e defesa entre aliados é também uma “forma de apoiar a luta que a Ucrânia” tem vindo a travar no seu território, que há já 26 dias sofre as consequências da invasão russa.

Um apoio que, garante, tem sido demonstrado por Portugal no “contexto da NATO e da União Europeia”.

Perante este atual contexto de guerra, António Costa aponta que a NATO espera que o “terror” que tem sido uma realidade na Ucrânia “não se estenda a nenhum dos países” que compõem a Aliança. Neste âmbito, explica ainda que a missão da mesma passa por defender todo o seu território, desde o “flanco sul”, onde se insere Portugal, ao “flanco leste”, de onde destaca a Roménia.

https://platform.twitter.com/embed/Tweet.html?dnt=false&embedId=twitter-widget-1&features=eyJ0ZndfZXhwZXJpbWVudHNfY29va2llX2V4cGlyYXRpb24iOnsiYnVja2V0IjoxMjA5NjAwLCJ2ZXJzaW9uIjpudWxsfSwidGZ3X2hvcml6b25fdHdlZXRfZW1iZWRfOTU1NSI6eyJidWNrZXQiOiJodGUiLCJ2ZXJzaW9uIjpudWxsfSwidGZ3X3NrZWxldG9uX2xvYWRpbmdfMTMzOTgiOnsiYnVja2V0IjoiY3RhIiwidmVyc2lvbiI6bnVsbH0sInRmd19zcGFjZV9jYXJkIjp7ImJ1Y2tldCI6Im9mZiIsInZlcnNpb24iOm51bGx9fQ%3D%3D&frame=false&hideCard=false&hideThread=false&id=1506228332215504897&lang=pt&origin=https%3A%2F%2Fwww.noticiasaominuto.com%2Fpais%2F1958905%2Fnato-nao-quer-terror-visto-na-ucrania-no-seu-territorio-diz-costa&sessionId=e20dc848114909fe2aaa6a9311a4ce77fe3c5ab0&siteScreenName=noticiaaominuto&theme=light&widgetsVersion=2582c61%3A1645036219416&width=550px

E é precisamente para este país, que faz fronteira com a Ucrânia, que vai ser destacada uma “força militar portuguesa”, que prestará uma “missão de persuasão contra qualquer risco de ataque” face a território da NATO. O primeiro-ministro garante, assim, que estes militares não serão enviados para território ucraniano. 

“Perante a atual agressão, a NATO decidiu reforçar a sua presença no leste e criar novos grupos de combate, designadamente na Roménia. Portugal vai responder ‘presente’ ao que nos é solicitado, que passa por empenhar os nossos meios, as nossas forças, na capacidade de reforçar a missão de dissuasão” da Aliança, explica António Costa.

O primeiro-ministro endereçou, nas suas declarações, uma mensagem aos militares portugueses que vão agora partir para esta nova missão, dizendo-se “certo de que as forças armadas reforçarão o prestígio de Portugal” neste âmbito.

Revista Destemidos

G:G:M:Â