O Presidente da República, João Lourenço, concluiu, quarta-feira(16), a visita oficial de três dias a Cabo Verde, a primeira de um estadista estrangeiro, desde a chegada de José Maria Neves à presidência.

© Fotografia por: Kindala Manuel | Edições Novembro

Na última actividade oficial, o Chefe de Estado angolano visitou, na terça-feira, na companhia do homólogo, José Maria Neves, a Empresa de Electricidade e Água (Electra),  vocacionada na dessalinização da água do mar em água potável.

João Lourenço admitiu a possibilidade do país implementar o projecto de dessalinização de água do mar em potável, na zona Sul, sobretudo na província do Namibe.

Respondendo aos jornalistas, no balanço da visita, João Lourenço explicou que o projecto constatado na cidade de Mindelo, Ilha de São Vicente, pode ser útil, uma vez implementado em zonas áridas do Sul do país, mais propriamente  no Namibe, no sentido de acudir as populações, em tempo de seca.

 “Ficamos com os contactos da direcção da empresa e, em tempo oportuno, poderemos analisar que passos a dar no futuro”, disse. Questionado sobre a Frescomar, empresa de pesca, transformação e conservação de peixe, de direito hispano-cabo verdiano, o Chefe de Estado considerou ser um empreendimento de suma importância, atendendo ao alto nível de produção e fornecimento, tendo encorajado a disposição dos empresários integrantes no projecto.

 “Temos a possibilidade de fazer o mesmo na Bahia Farta e no Namibe, pois Benguela já foi produtora de conserva de peixe. Neste momento, não está a produzir, mas acreditamos que é um empreendimento que poderá reatar a qualquer momento com a produção”, referiu o estadista angolano, acrescentando que deixou Cabo Verde, com sentimento de ter dado passos importantes no reforço dos laços de amizade e cooperação entre os dois países.

 Congratulou-se pelo facto de se ter corrigido a questão ligada à Comissão Mista que não se reunia há 14 anos e, que doravante, as reuniões terão o curso normal. Sobre a visita à Universidade Técnica do Atlântico, ainda na manhã de terça-feira na cidade de Mindelo, Ilha de São Vicente, fez saber que já existem contactos entre o Instituto Marítimo do Namibe de Angola e a Universidade Técnica do Atlântico de São Vicente no sentido de haver intercâmbio entre as duas instituições.

 Na visita que o Chefe de Estado efectuou à Universidade Técnica do Atlântico, onde, numa das salas, foi informado sobre aulas de simulação e manobras marítimas. Na ocasião, o Presidente da República foi convidado a pilotar um barco no simulador, via cidade de Mindelo a Lisboa, acção que deixou admirados os instrutores, dado os conhecimentos que o estadista angolano demonstrou na condução.

 No final, assinou o livro de honra da instituição:

“Cabo Verde é uma casa de sucesso, na marinha mercante, com formação de alto padrão dos seus próprios marinheiros. Angola vai aproveitar esta capacidade de formação que Cabo Verde oferece, para que os nossos profissionais obtenham acompanhamento necessário e certificação internacional e os habilite a trabalhar em qualquer parte do mundo”.

Presidente em Orlando

O Chefe de Estado partiu, ontem, de Mindelo, Cabo Verde, para a cidade de Orlando, Nos Estados Unidos da América, para uma visita  privada de alguns dias, segundo um comunicado da Secretaria para os Assuntos de Comunicação Institucional e Imprensa do Presidente da República. 

Revista Destemidos