Os líderes da Polónia, da Chéquia e da Eslovénia viajaram até à Ucrânia para um encontro com Volodymir Zelenskyy. Foram os primeiros chefes de governo do ocidente a visitar a Ucrânia, em guerra há quase três semanas.

O encontro com Zelenskyy é visto como um sinal claro de apoio dos vizinhos europeus à Ucrânia e Zelenskyy mostrou-se confiante. No fim do encontro, aos jornalistas, chamou de “amigos e parceiros” aos líderes europeus, e afirmou que está “certo de que todos juntos” vão conseguir derrotar “sabemos quem”.

Uma união partilhada também pelo Primeiro-ministro polaco, o qual deixou claro, no fim da reunião, que a Polónia nunca abandonará a Ucrânia: “Nós nunca vos deixaremos sozinhos” na “luta pela liberdade, pela segurança dos ucranianos” mas também “pela segurança” dos países vizinhos.

A Polónia defendeu também que a NATO deveria enviar uma “missão de paz” para a Ucrânia, protegida pelas Forças Armadas, para prestar ajuda “humanitária e pacificadora”, afirmou o vice-primeiro-ministro polaco, Jaroslaw Kaczynski, também presente no encontro.

“Esta missão não pode ser uma missão desarmada. Ela deve procurar fornecer ajuda humanitária e pacificadora à Ucrânia”, referiu o governante da Polónia.

Revista Destemidos