O Ministério da Economia e Planeamento (MEP) prevê realizar, até Dezembro deste ano, cerca de 250 Feiras da Produção Nacional nas 18 províncias do país.

Esta informação foi avançada, ontem, pela directora nacional para a Economia, Competitividade e Inovação, Joffrana Xavier, que referiu, igualmente, que o maior número de feiras será realizado na província do Cuanza-Norte,  com um total de 39 feiras.

Segundo disse, em seguida aparece a província do Huambo com 32, Malanje com 22, Lunda-Norte aparece com 19, Huíla conta com 18, Bié e Uíge 16 respectivamente, Benguela com 15, Cuanza-Sul e Cunene 11 cada, o Cuando Cubango com 10, Moxico com nove, Zaire com oito, Cabinda e Luanda sete cada, Bengo com seis, Lunda-Sul com quatro e a provincia do Namibe com apenas três feiras.

Joffrana Xavier, que apresentou o balanço das actividades do sector realizadas no âmbito do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI), realçou que além deste evento, desde Janeiro foram já realizadas mais oito feiras, que culminou  com a celebração de 18 contratos avaliados em mais de 21 milhões de kwanzas.

No ciclo do programa das feiras, em 2021 foram realizadas até ao segundo se-mestre, um total de 77 feiras de produção, que permitiu 58 encontros das fileiras produtivas e uma presença de dois mil e 596 produtores. Quanto ao Contrato de Compra Futura foram 126 avaliados em 1,3 milhões de kwanzas.

Ambiente de negócios

Ainda no âmbito do PRODESI, encontram-se em negociação com os bancos comerciais 99 projectos por via dos instrumentos financeiros do Aviso 10/20 do Banco Nacional de Angola (BNA), com 78 e por via do Projecto de Apoio ao Crédito (PAC), com 21.

Quanto à aprovação, a banca não admitiu mais nenhum projecto, mantendo o mesmo quadro do passado. No cômputo geral, desde 2019, os instrumentos e produtos financeiros ao dispor desta iniciativa do Estado foram aprovados mil e 043 projectos, que ascendem a um valor aproximado de 879 mil milhões de kwanzas.

O montante acima descrito  está distribuído por via do Aviso 10/20 do BNA, com cerca de  596 mil milhões resultante de 338 projectos aprovados, por via da Linha de Crédito do Deutsche Bank, com 189 mil milhões, oito  projectos aprovados, por via das Medidas de Alívio Económico, com 43 mil milhões e 528 projectos aprovados.

O PAC aparece com 48 mil milhões, 25 projectos aprovados, ao passo que FADA abarca  2,2 mil milhões, 142 projectos aprovados e por via de outros instrumentos e produtos financeiros da banca comercial, com apenas  0,5 mil milhões e dois projectos aprovados.

Joffrana Xavier reforçou, ainda, que a maior parte dos projectos aprovados  são do sector da agricultura,  com 565, seguido do ramo do comércio e distribuição com 196, a indústria transformadora com 112, a pecuária com  49, pesca marítima com 36, a indústria alimentar e bebidas com 30, pesca continental com 28, a aquicultura com 23, a prestação de serviços  com três  e  as têxteis, vestuário e calçado com  apenas um projecto.

O grande número de projectos foram aprovados pelo BDA, com 536, o FADA com 142, BAI com 76, BIC aparece com 55, o BFA com 35, o BNI com 26, o KEVE com 22, o BCI com 20 projectos financiados